Torneio de Condeixa

 

Lambarices

Lambarices

O dia 9 de maio de 2015 d.C. começou bem cedo para os atletas do Távola e para o grão-mestre que fez questão de nos transportar como é habito para o campo de batalha e de ser o nosso comandante nos time-outs e fins de jogo mais complicados. Quando chegamos ao destino o grão-mestre fez logo outra viagem para encontrar provisões pois é preciso uma barriga cheia para aplicarmos o que aprendemos com os nossos mestres nos treinos.

Em Condeixa fomos recebidos com uma ameaça pois estava uma mesa de aquecimento na parte de fora do pavilhão e um senhor da casa dirigiu-nos a palavra e disse : “É melhor não aquecerem aqui pois não há ‘paredes’ que vos salvem”.

A manhã correu de feição para a maior parte dos tavoleiros, pois 2/3 destes passaram à fase seguinte. Ao meio dia fomos encher o papo ao restaurante “doçarias” (Nota da Censura: ou seria “Lambarices”?), em Ega, na “semana do cabrito” que estava a acontecer no Concelho de Condeixa, concorria com outros restaurantes para ganhar o “cabrito de ouro” um prémio que vai para o que agradar a mais glutões. Ao que comemos, não nos admirávamos se ganhassem o troféu. No fim do manjar jogamos uma suecada que acabou com um resultado ferozmente desequilibrado devido à falta de trunfos da parte de uns e à sabedoria do grão-mestre também neste desporto de mesa.

A fase final de tarde, já com o cabrito no bucho, não correu tão bem, tendo um tavoleiro perdido à primeira eliminatória e outro logo a seguir, mas cada derrota é uma lição, e cada lição é uma cicatriz que nos lembra os nossos erros e que nos ajuda a não cometer outros iguais.

No regresso ao nosso meio de transporte, o grão-mestre perguntou delicadamente aos pagens se queriam ir para casa ou se queriam muito visitar o nosso tavoleiro ausente em Coimbra a estudar (Nota da censura: Não será exagero o uso desta palavra?). O voto dos pagens foi unânime: Ir para casa diretamente.

Assim, o Grão mestre, democraticamente, decidiu ir a Coimbra, para mostrar quem manda.

Em plena queima das fitas, apesar de ainda ser madrugada (cerca das 18 horas), encontramos o nosso tavoleiro acordado. Tinha perdido um pouco de peso devido ao seu pente zero que uma trupe lhe aplicou quando o encontraram uma noite destas a estudar fora de horas.

Todos juntos, andamos pela alta Coimbrã por ruas estreitas e infindáveis e fomos a um café junto às escadas de Quebra Costas, onde o respetivo dono se gabava de ter aprendido a fazer as suas francesinhas com uma Paredense num estabelecimento perto do estádio das laranjeiras. Logo lhe prometemos que um dia nós voltaríamos lá e provaríamos se era verdade ou não.

No caminho para casa, deixamos o tavoleiro ausente no estádio dos estudantes para ver o jogo de futebol da Académica com o Belenenses e partimos. O caminho de volta seria silencioso devido à sonolência de uns e ao silêncio de outros se o grão-mestre não tivesse posto música.

Quando chegamos ao destino, em Paredes, cada tavoleiro seguiu o seu caminho.

Tavoleiro ausente em Coimbra

Tavoleiro ausente em Coimbra

Texto escrito por José Pereira (filho) 😉

Anúncios

Sobre Távola

Clube de Ténis de Mesa
Esta entrada foi publicada em Torneios. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s